Autismo e barulho: hipersensibilidade sensorial

Descrição de imagem: Menino segura um lança confete com as duas mãos. Atrás, Alice olha para o objeto e tampa os ouvidos.

Uma das características do autismo é a hipersensibilidade sensorial. Ela pode afetar cada um dos cinco sentidos. No meu caso, os sentidos mais afetados são o tato e a audição. No caso da visão, também tenho certa sensibilidade com luzes fortes, mas não tanto quanto a toques e barulhos. Também tenho uma certa sensibilidade do olfato, mas, mais uma vez, não é o sentido mais afetado. E, quanto ao paladar, não tenho sensibilidade. No que tange a minha seletividade alimentar, o problema é o sentido do tato, pois sou sensível às texturas dos alimentos. Agora que sabe um pouco mais sobre a sensibilidade dos sentidos, gostaria de explicar um pouco melhor sobre como a da audição me afeta.

Para um autista, um barulho alto e repentino pode desorganizar completamente os pensamentos. Além disso, pode causar dor nos ouvidos e/ou formigamento. Certos barulhos específicos, que variam de pessoa para pessoa, também podem causar dor ou incômodo. Para mim, barulhos como o de pratos se encostando, a buzina de um automóvel, o barulho do ônibus, pessoas gritando, entre muitos outros, me desorganizam e me machucam. Lembro que, na infância, as crianças gostavam de estourar bexigas. Para mim, isso era um pesadelo. Eu saía de perto e tampava meus ouvidos.

Outra coisa que acontece é a dificuldade de lidar com muitos barulhos acontecendo simultaneamente. Em lugares com muitas pessoas, normalmente há muitas vozes ao mesmo tempo, além de outros barulhos. Com isso, fica muito difícil me organizar. Nesse caso, não é necessariamente a intensidade do som, mas a quantidade de ruídos no ambiente. Processar tantos barulhos ao mesmo tempo pode ser difícil para o autista, que não gosta de caos. Preferimos a previsibilidade, tranquilidade e quietude. Apesar disso, para alguns autistas hipossensíveis, lugares barulhentos são uma oportunidade de se auto-estimular. Mas não é o meu caso. Eu prefiro evitar ambientes em que muitas pessoas falam ao mesmo tempo. Não importa se são cochichos, o processamento de tantos estímulos ainda é difícil. Qualquer barulho que eu ouça em meio a esse caos sensorial, independente de estar longe ou perto, parece que está bem ao meu lado. Quando eu era criança, eu tampava os ouvidos na sala de aula por causa do barulho das outras crianças falando ao mesmo tempo. Por conta desse desconforto, muitos de nós usam fones de ouvido para sair de casa. É uma forma de evitar a tão temida sobrecarga sensorial.

Para lidar com a entrada desenfreada de estímulos sonoros, recorro aos movimentos repetitivos. Tento ser discreta quando estou em público, mas, às vezes, não é possível. Por isso, pode ser que você me veja na rua mexendo os dedos os as mãos de forma estranha. Também pode se deparar com a imagem do meu balançar de braços, ou me ver batendo os pés no chão, andando de um lado para o outro, roendo as unhas, pulando etc. Em alguns poucos casos, em que não consegui me acalmar, já aconteceu de eu recorrer à autoagressão, mas é raro. Algo que costumo fazer ao esperar na fila do almoço na faculdade é bater as mãos nas pernas repetidas vezes. Faço isso para lidar com o ambiente barulhento e desconfortável, em que os jovens falam simultaneamente sem se preocupar com o volume da voz, além de haver pessoas tocando piano.

Resumidamente, podemos concluir que barulhos altos e repentinos podem fazer mal ao autista. Isso pode ocorrer tanto pela imprevisibilidade quanto pela sensibilidade auditiva. Ademais, é possível dizer que muitos barulhos simultâneos também podem causar muito desconforto, pois nós autistas temos dificuldade para lidar com muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Dessa forma, surgem os movimentos repetitivos, que servem como uma tentativa de filtrar os estímulos e se concentrar melhor, evitando uma possível crise.

Espero que tenha entendido melhor a hipersensibilidade auditiva no autismo. Com isso, pode tentar melhorar a forma como lida com autistas, seja falando mais baixo perto deles, providenciando fones de ouvido para ambientes barulhentos ou, principalmente, não intervindo nos movimentos repetitivos, pois agora entende que são uma ferramenta muito necessária à autorregulação do autista. Não esqueça de comentar o que achou da matéria e curtir a minha página A Menina Neurodiversa no Facebook. Fico muito feliz de levar informações às pessoas sobre autismo e promover a conscientização sobre esse tema. Me conte da sua experiência com a hipersensibilidade auditiva, seja com você mesmo ou com seu filho, aluno, sobrinho, neto etc. Como lida com isso? Deixe nos comentários!

5 comentários sobre “Autismo e barulho: hipersensibilidade sensorial

  1. jpsnascimento 13 de maio de 2019 / 21:49

    Excelente matéria! Muitos professores de educação infantil e ensino fundamental I deveriam ter essa percepção quanto ao comportamento de detetminados alunos! Parabéns, Alice! Sua página está cada dia mais encantadora!!!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Letícia Ferreira Morais 17 de maio de 2019 / 14:20

    Belíssimo artigo, completo e organizado.Tenho 17 anos, sou portadora da Síndrome de Asperger e recebi meu diagnóstico apenas ano passado. O dilema da hipersensibilidade sensorial é muito presente em minha vida. Me irrito bastante com ruídos, várias pessoas conversando ao mesmo tempo ou músicas sendo tocadas em lugares públicos com som muito alto. Eu diria que meu “supersentido” seria a audição, por outro lado, eu também detesto contato físico com pessoas não íntimas ou desconhecidas e tenho alta seletividade alimentar. Fora isso tenho imenso orgulho por ser autista e um carinho enorme por especialistas no assunto. Sou muito grata por ter descoberto seu blog, Alice. Vamos trocar uma idéia um dia desses, queria te conhecer

    Curtido por 1 pessoa

    • alimcs 17 de maio de 2019 / 14:23

      Fiquei muito feliz de ler seu comentário, Letícia! Que bom que gostou do meu artigo e do site! Seja muito bem-vinda! Quanto mais autistas ocupando este espaço, mais feliz eu fico! Se quiser, pode me mandar um e-mail. O meu é alicinha_casimiro@msn.com

      Curtir

  3. Elvis 5 de outubro de 2020 / 21:53

    Sei como é. Para mim é difícil também ter que ficar em um lugar barulhento; me dá muito desconforto e é bem difícil de lidar

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s